Bem-vindo a nossa Clínica de Reabilitação!

Atendimento : de domingo a domingo, 24 horas por dia.
  Nossos Contatos : (81) 991724641 Claro /(81) 9 8523.4166 Oi / (81) 9 9847.3488 Tim

All Posts Tagged: Terapia Ocupacional

Deus Faz Por Nós

“A recuperação contínua depende da nossa relação com um Deus amantíssimo que cuida de nós e fará por nós aquilo que nós não somos capazes de fazer por nós próprios.” Texto Básico, p. 111

Quantas vezes é que já ouvimos dizer nas reuniões que “Deus faz por nós aquilo que nós não podemos fazer por nós próprios”? Há alturas em que poderemos sentir-nos paralisados na nossa recuperação, incapazes, receosos, ou sem vontade para tomarmos as decisões que sabemos ter de tomar para seguirmos em frente. Talvez sejamos incapazes de pôr fim a uma relação que não esteja a funcionar. Talvez o nosso trabalho se tenha tornado numa fonte de demasiado conflito. Ou talvez sintamos que precisamos de arranjar um novo padrinho ou madrinha, mas tenhamos medo de começar a procurar. Através da graça do nosso Poder Superior, poderá acontecer uma mudança imprevista precisamente naquela área que nos sentíamos incapazes de mudar. Por vezes nos permitimos ficar paralisados no problema, em vez de avançarmos em direção à solução. Nessas alturas costumamos descobrir que o nosso Poder Superior faz aquilo que não conseguimos fazer por nós próprios. Talvez o nosso companheiro decida acabar a relação. Podemos ser despedidos, ou dispensados. Ou o nosso padrinho ou madrinha diz-nos que já não consegue trabalhar connosco, obrigando-nos a procurar outro. Aquilo que acontece nas nossas vidas pode por vezes ser assustador, tal como a mudança quase sempre parece ser. Mas também ouvimos dizer que, “Deus nunca fecha uma porta sem abrir outra”. À medida que avançamos, com fé, a força do nosso Poder Superior nunca está longe de nós. A nossa recuperação é fortalecida por essas mudanças.
Só por hoje: Confio em que o Deus da minha concepção fará por mim aquilo que eu não consigo fazer por mim próprio.
Leia Mais

Medo

“Chegamos à conclusão de que não tínhamos outra escolha senão mudarmos completamente as nossas velhas maneiras de pensar ou então voltávamos a usar.” Texto Básico, p. 26

Muitos de nós descobriram que as suas velhas formas de pensar eram dominadas pelo medo. Tínhamos medo de não conseguir arranjar as nossas drogas, ou de que elas não fossem suficientes. Tínhamos medo de ser descobertos, de sermos presos, de irmos para a cadeia. Mais abaixo na lista estavam os medos de problemas financeiros, de não termos casa, de uma “overdose”, de doenças. E o nosso medo controlava as nossas ações. Os primeiros tempos em recuperação não eram muito diferentes para muitos de nós; era, também nessa altura, o medo a dominar os nossos pensamentos. “E se estar em recuperação trouxer muita dor?”, perguntávamos a nós mesmos. “E se eu não conseguir? E se as pessoas em NA não gostarem de mim? E se NA não resultar?” 0 medo por detrás destes pensamentos pode ainda controlar o nosso comportamento, impedindo-nos de tomar os riscos necessários para nos mantermos limpos e crescermos. Pode parecer mais fácil resignarmo-nos à certeza de que vamos falhar, desistindo antes mesmo de começarmos, em vez de arriscarmos tudo com base numa réstia de esperança. Mas esse tipo de pensamento apenas leva à recaída. Para nos mantermos limpos, temos de encontrar a boa-vontade para mudar as nossas velhas formas de pensar. Aquilo que resultou para outros adictos pode resultar para nós – mas temos de estar dispostos a arriscar. Temos de substituir as nossas dúvidas, velhas e cínicas, por novas afirmações de esperança. Quando fazemos isso, veremos que vale a pena arriscar.
Só por hoje: Rezo pela boa vontade para mudar as minhas velhas formas de pensar, e pela capacidade para ultrapassar os meus medos.
Leia Mais

Eu Compreendo

“Humildemente rogamos a Ele que nos livrasse das nossas imperfeições.” Sétimo Passo

Assim que nos prontificamos inteiramente a deixar que os nossos defeitos de caráter fossem removidos, ficamos inteiramente prontos! Por ironia, é exatamente aí que começam os problemas. Quanto mais nos esforçarmos para nos livrarmos de um determinado defeito, mais forte esse defeito parece tornar-se. É uma verdadeira lição de humildade compreendermos que não só somos impotentes perante a nossa adicção, como o somos também perante os nossos defeitos de caráter. De repente tudo faz sentido. O Sétimo Passo não sugere que nos livremos das nossas imperfeições, mas que peçamos ao nosso Poder Superior que nos livre delas. Começamos a mudar a tônica das nossas orações diárias. Ao admitirmos a nossa incapacidade de nos tornarmos perfeitos, pedimos ao nosso Poder Superior que faça por nós aquilo que nós não somos capazes de fazer por nós próprios. E aguardamos. Durante muitos dias o nosso programa parece encalhado no Passo Sete. Podemos não sentir qualquer alívio imediato ou total dos nossos defeitos – mas costumamos sentir, sim, uma mudança subtil na forma de olharmos para nós próprios e para os outros. À luz do Sétimo Passo, começamos a olhar para aqueles à nossa volta de uma forma menos crítica. Sabemos que, tal como nós, muitos deles estão a lutar contra imperfeições de que gostariam de se ver livres. Sabemos que, tal como nós, eles são impotentes perante os seus próprios defeitos. E começamos a pensar se eles, também, rezam com humildade para que os seus defeitos sejam removidos. Começamos a avaliar os outros tal como aprendemos a avaliar-nos a nós próprios, com uma empatia que nasce da humildade. Ao olharmos para os outros, e ao nos mantermos atentos a nós próprios, podemos finalmente dizer, “Eu compreendo”.

Só por hoje: Deus, ajuda-me a ver através dos olhos do Passo Sete. Aiuda-me a compreender.

Leia Mais

Prioridade: reuniões

“Ao princípio achava que seria impossível ir a mais do que uma ou duas reuniões por semana. Mais do que isso não ia adaptar-se a minha vida ocupada. Mais tarde aprendi que as minhas prioridades estavam todas ao contrário. Todas as outras coisas é que iriam ter de adaptar-se ao meu compromisso com as reuniões.” Basic Text II, p. 204

Alguns de nós iam pouco a reuniões quando chegamos a Narcóticos Anônimos, e depois ficávamos muito espantados por não conseguirmos manter-nos limpos. O que rapidamente aprendemos foi que, se quiséssemos manter-nos limpos, tínhamos de fazer da participação em reuniões uma prioridade. Por isso começamos tudo de novo. Seguimos a sugestão do nosso padrinho ou madrinha e comprometemo-nos a ir a noventa reuniões em noventa dias. Identificamo-nos como recém-chegados durante os primeiros trinta dias, para que os outros pudessem nos conhecer. Sugeriram que parássemos de falar o tempo suficiente para aprendermos a ouvir. Em breve começamos a ter vontade de ir a reuniões e a nos manter limpos. Hoje vamos a reuniões por uma série de razões. Às vezes vamos a reuniões para partilhar a nossa experiência, força e esperança com membros mais novos. Às vezes vamos para ver amigos. E às vezes vamos só porque queremos um abraço. De vez em quando saímos de uma reunião e vemos que não ouvimos uma única palavra do que foi dito, mas mesmo assim nos sentimo melhor. A atmosfera de amor e de alegria que enche as nossas reuniões tem-nos mantido limpos por mais um dia. Por mais confuso que seja o nosso dia, fazemos da ida a reuniões uma prioridade.

Só por hoje: Cá bem dentro, sei que as reuniões fazem-me bem por uma série de razões. Hoje quero aquilo que seja bom para mim. Irei a uma reunião.

Leia Mais

Fingir que…

“O que hoje procuramos são soluções, não problemas. Tentamos aplicar aquilo que aprendemos.” Texto Básico, p.65

A primeira vez que ouvimos dizer que deveríamos “fingir que”, muitos de nós exclamaram: “Mas isso não é honesto! Julgava que em Narcóticos Anônimos era suposto sermos honestos quanto aos nossos sentimentos.” Talvez possamos refletir sobre quando chegamos pela primeira vez ao programa. Talvez não acreditássemos em Deus, mas mesmo assim rezávamos. Ou talvez não estivéssemos tão certos de que o programa iria resultar para nós, mas continuamos a vir a reuniões, não importava o que pensássemos. O mesmo aplica-se quando progredimos em recuperação. Podemos ter um terror das multidões, mas se agirmos com confiança e estendermos a mão, não só nos sentiremos melhor conosco, como iremos também descobrir que já não estamos tão receosos de grandes ajuntamentos. Cada ação que tomarmos com esta atitude mais depressa nos tornaremos as pessoas que supostamente éramos. Cada mudança positiva que fizermos constrói a nossa auto-estima. Ao nos comportarmos de forma diferente, iremos compreender que estamos também a começar a pensar de forma diferente. Estamos a começar a viver no caminho certo através do “fingir que”.

Só por hoje: Vou aproveitar para fingir que consigo aceitar uma situação que antes receava enfrentar.

Leia Mais

Agradar aos Outros

“Este comportamento (na procura de aprovação) levou-nos mais fundo na adicção.” Texto Básico, p. 16

Quando os outros aprovam aquilo que fazemos ou dizemos, sentimo-nos bem; quando desaprovam, sentimo-nos mal. As opiniões que tenham de nós, e a forma como essas opiniões nos fazem sentir, podem ter um valor positivo. Ao fazerem-nos sentir bem por estarmos no caminho certo, encorajam-nos a prosseguir em frente. O “agradar aos outros” é algo inteiramente diferente. “Agradamos aos outros” quando fazemos coisas, certas ou erradas, só para obtermos a aprovação de outra pessoa. Uma baixa auto-estima pode levar-nos a pensar que precisamos da aprovação de outra pessoa para nos sentirmos bem connosco. Fazemos aquilo que julgamos ser necessário para que elas nos digam que estamos bem. Por uns momentos sentimo-nos bem. Depois começamos a entrar em dor. Ao tentarmos agradar a outra pessoa, nos diminuímos e diminuímos aos nossos valores. Compreendemos que a aprovação dos outros não irá preencher o vazio dentro de nós. A satisfação interior que procuramos pode ser encontrada ao fazermos as coisas certas pelos motivos certos. Quebramos o ciclo de agradar aos outros quando deixamos de agir unicamente para obter a aprovação dos outros e começamos a agir de acordo com a vontade do nosso Poder Superior para nós. Acabamos assim por ficar agradavelmente surpreendidos ao vermos que as pessoas que realmente contam nas nossas vidas vão aprovar ainda mais o nosso comportamento. Mais importante ainda, contudo, é que vamos nos aprovar.

Só por hoje: Poder Superior, ajuda-me a viver de acordo com princípios espirituais. Só então é que eu poderei aprovar-me a mim próprio.

Leia Mais

Demasiado Ocupados

“Precisamos de praticar aquilo que aprendemos ou arriscamo-nos a perder tudo, não importa há quanto tempo estejamos limpos.” Texto Básico, p. 96

Quando já temos algum tempo limpo, alguns de nós têm a tendência de esquecer qual é a nossa prioridade mais importante. Uma vez por semana, ou menos, dizemos: “Tenho de ir esta noite a uma reunião. Há mais de…” Estamos tão ocupados com outras coisas, decerto importantes, mas não mais do que a nossa contínua participação em Narcóticos Anônimos. Acontece aos poucos. Arranjamos trabalhos. Reunimo-nos às nossas famílias. Temos de tomar conta dos filhos, o cão está doente, ou temos aulas à noite. A casa precisa de ser limpa. Temos de regar as plantas. Temos de trabalhar até tarde. Estamos cansados. Dá hoje um filme óptimo. E, de repente, vemos que já vai algum tempo que não falamos com o nosso padrinho ou madrinha, que não vamos a uma reunião, que não falamos com um recém-chegado, ou mesmo que não falamos com Deus. O que é que fazemos nestas alturas? Bom, ou renovamos o nosso compromisso com a nossa recuperação, ou continuamos demasiado ocupados para recuperar até que aconteça algo e as nossas vidas se tornem ingovernáveis. Mas que escolha! O melhor que teremos a fazer é pôr mais energias na manutenção dos alicerces da recuperação sobre os quais se constroem as nossas vidas. Esses alicerces tornam tudo o resto possível, e decerto que irão ruir se nos deixarmos ocupar por tudo o resto.
Só por hoje: Não posso dar-me ao luxo de estar demasiado ocupado para recuperar. Hoje vou fazer algo que mantenha a minha recuperação.
Leia Mais

Ir atrás dos sentimentos

“Aprendemos a viver com esses sentimentos e compreendemos que eles não poderão magoar-nos se nós não formos atrás deles.” IP n° 16, Para o recém-chegado

Nem todos nós chegamos a Narcóticos Anônimos com um desejo avassalador de parar de usar. É verdade que as drogas nos causavam problemas e que queríamos ver-nos livres desses problemas, mas também não queríamos deixar de andar “pedrados”. Todavia, acabamos por ver que não podíamos ter uma coisa sem a outra. Apesar de realmente querermos ter a “cabeça cheia”, nós não usamos; já não estávamos mais dispostos a pagar o preço. Ao mantermos-nos limpos e praticarmos o programa, mais cedo ou mais tarde começamos a sentir mais liberdade. A compulsão para usar acabou por nos ser completamente removida, e nos mantivemos limpos porque queríamos viver limpos. Os mesmos princípios aplicam-se a outros impulsos negativos que possamos ter. Podemos querer fazer algo de destrutivo, só porque nos apetece. Já agimos assim no passado, e por vezes achamos que conseguimos nos safar, embora às vezes não seja assim. Se não estivermos dispostos a pagar o preço por irmos atrás desses sentimentos, não precisamos de o fazer. Pode ser difícil, talvez tão difícil quanto foi nos manter limpos no início. Mas outros já se sentiram da mesma forma e encontraram a liberdade de não terem que ir atrás dos seus impulsos negativos. Ao partilharmos sobre isso e procurarmos a ajuda de outras pessoas em recuperação e de um Poder superior a nós mesmos, podemos encontrar a direção, o apoio, e a força de que precisamos para nos abstermos de qualquer compulsão destrutiva.
Só por hoje: Não há problema em sentir os meus sentimentos. Com a ajuda do meu padrinho ou madrinha, dos meus amigos de NA e do meu Poder Superior, estou livre para não ir atrás dos meus sentimentos negativos.
Leia Mais

Felicidade

“Passamos a conhecer a felicidade, a alegria e a liberdade.” Texto Básico, p. 103

Se alguém te parasse hoje na rua e te perguntasse se eras feliz, o que você diria? “Bom, ah, deixe-me ver… Tenho uma casa, comida no frigorífico, um emprego, o meu carro trabalha… Sim, acho que sou feliz”, poderia ser a tua resposta. Aqueles são exemplos exteriores de coisas que muitos de nós tradicionalmente associam à felicidade. Por vezes esquecemo-nos, todavia, de que a felicidade é uma escolha; não há ninguém que possa fazer-nos felizes. A felicidade é aquilo que encontramos no nosso envolvimento com Narcóticos Anônimos. É na verdade enorme a felicidade que vamos buscar a uma vida concentrada em servir o adicto que ainda sofre. Quando colocamos o serviço acima dos nossos próprios desejos, descobrimos que estamos a retirar o foco sobre nós próprios. Como resultado disso, vivemos uma vida mais feliz e harmoniosa. Ao servirmos os outros, as nossas necessidades são mais do que preenchidas. Felicidade. O que é que é na realidade? Podemos pensar na felicidade em termos de contentamento e de satisfação. Estes dois estados de alma parecem surgir quando menos nos esforçamos por eles. À medida que vivemos só por hoje, transmitindo a mensagem ao adicto que ainda sofre, encontramos contentamento, felicidade, e uma vida com um profundo sentido.

Só por hoje: Vou ser feliz. Vou encontrar a minha felicidade ao servir os outros.

Leia Mais

Cultivar a Honestidade

“As mudanças dão-se a um nível prático, pois aquilo que é apropriado em determinada fase de recuperação pode não o ser em outra.” Texto Básico, p. 116

Quando chegamos a Narcóticos Anônimos muitos de nós não tinham qualquer ocupação legítima. Nem todos decidimos, assim de repente, tornar-nos cidadãos modelo, honestos e produtivos. Mas depressa descobrimos, em recuperação, que não nos sentimos assim tão confortáveis a fazer muitas das coisas que, quando usávamos, costumávamos fazer sem pensar duas vezes. À medida que crescemos em recuperação, começamos a ser honestos em assuntos que muito provavelmente nunca nos haviam preocupado quando usávamos. Começamos a devolver o troco que nos dão em demasia no supermercado, ou a admitir a culpa quando riscamos um carro estacionado. Descobrimos que se conseguirmos ser honestos nestas pequenas coisas, os testes maiores à nossa honestidade tornam-se muito mais fáceis de lidar. Muitos de nós chegaram aqui com uma capacidade muito reduzida de ser honestos. Mas descobrimos que, à medida que trabalhamos os Doze Passos, as nossas vidas começam a mudar. Já não nos sentimos confortáveis quando beneficiamos à custa dos outros. E podemos sentir-nos bem com a nossa recém-descoberta honestidade.
Só por hoje: Vou examinar o nível de honestidade na minha vida e ver se me sinto confortável com ele.
Leia Mais